quarta-feira, 29 de dezembro de 2010




Um dia vou sentir-me tão grande e tão forte que ninguém me fará frente.
Um dia nada vai ficar por dizer.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Já no ano passado se fez sentir a falta do Espírito de Natal. Este ano estamos igual. Comentava com uma colega minha que antigamente delirava com esta época e agora nem dou conta que é Natal (não fosse o arrombo à carteira por causa dos típicos presentes).

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Desejos de Natal

Para não ser diferente da maior parte dos blogs, vamos lá fazer a lista de presentes que desejo para o Natal. Quem sabe não terei sorte e aparecerá um deles para me dar alegria :)

Uma bonequinha destas dá sempre jeito. É só para dar umas picadinhas a quem mereça...

Tamanho XS para a passagem de ano 2011/2012 porque no próximo ano vou declarar guerra às calorias.

Esta máquina de ginástica vibratória é maravilhosa e ajuda a perder calorias sem qualquer esforço (físico diga-se, porque na carteira o esforço é considerável). Dez minutos a tremer todas as células do nosso corpo corresponde a 2 horas de ginástica.

 Voucher para curso de ventríloco, para poder mandar uma bocas para o ar no momento certo sem me denunciar. Sim, porque vivemos num mundo de cão e temos que ter as armas certas. A minha voz funcionava assim tipo consciência.

Tem que trazer o génio lá dentro e tenho que ter direito aos 3 desejos. Prometo a quem não gosta de mim que nunca mais me vai por os olhos em cima :)


Por agora chega. Se me lembrar de outros presentes volto à carga de forma a facilitar a vida a quem me quer ver feliz.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Verborreia!

É o que faz ter uma amiga por perto. Estava muito (muito mesmo) chateada - para não dizer furibunda - com uma situação e comecei a divagar através de mensagens com esta amiga. A verborreia (dito por ela), deu nisto:

Estou tão fartinha!
somos realmente vítimas desta sociedade insana

esta correria pelo poder e pela ascensão podre
pelo magoar os outros
para atingir um grau de davasidão pura

pelo espezinhar os outros só pelo prazer dos gritos das almas alheias
pela bipularidade do sucesso mem fundamento
pelo desbravar da loucura de objectivos imundos

mas, como dizia o poeta: podem calar minha voz, mas não o meu pensamento
e vou sempre pensar nesta imoralidade de actos como uma prisão da alma
como uma doença sem cura
TENHO PENA!
pena dos pobres de espírito
que não querem ver com clareza
a beleza de um por do sol
o valor da amizade
o sorriso de uma criança
um beijo sentido
enfim, é esta sociedade que vamos deixar de legado para o futuro
sem um sopro de emoção

sem pensar sem interesse
enfim, estou saturada
Saturadíssima!

«Não serei plateia dessa sociedade doente, serei autor da minha história!»

... E Puf, agora estou bem melhor :)

domingo, 5 de dezembro de 2010

Rex


O Rex faz parte da família há 10 anos e acompanhou de perto o crescimento dos meus sobrinhos.
Era um cão enérgico, cheio de vida e completamente maluco.
Ficou doente e na Sexta-feira, ao final do dia, eu e A.T. tivemos que o levar ao Hospital Veterinário.
Tem um problema neurológico que lhe tira o equilíbrio e o deixa totalmente prostrado. Na Terça-feira vai fazer um TAC para saber como melhor o podemos ajudar.
O melhor presente de Natal deste ano serão as melhoras do Rex.
Força REX, queremos que fiques bom depressa.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010


Este ano decidi trocar a minha árvore de Natal.
Decidi que ia comprar uma árvore pequenina, a dar com a casa. Até porque, diga-se de passagem, já não ligo tanto ao Natal como ligava antigamente.
Ontem, aproveitei o bendito do feriado e fui à procura da minha árvore.
A foto não deixa dúvidas: comprei uma árvore gigante. Bonita é verdade, mas talvez um bocadinho grande (pronto é Natal e tudo deve ser em grande. Verdade?).
Ora a minha árvorezinha levou 7 jogos de luzes que me deram um trabalhão a colocar e não é que hoje já há uma das p$#=s das luzes que se fundiram?



Já não me restam dúvidas: elas existem mesmo.
Maquiavélicas, infernizam vidas alheias, sugam energia e envenenam o ambiente.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010


Este céu de cores fantásticas fez parte das Boas-vindas com que Lisboa brindou hoje, por volta das 7:50, quem nela entrou.

Não fosse a figura que eu e a A.T. fizemos a fotografar o céu dentro do carro, que deve ter levado os outros automobilistas a pensar que saímos de casa sem tomar o comprimido, e poder-se-ia dizer que a viagem de hoje foi muito inspiradora :)
Para quem tenta fazer mais pela vida e porque as oportunidades por vezes se encontram onde menos esperamos, porque não visitar a feira de Emprego do Alegro?

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Coisas que eu devia passar a fazer #1

Comprar o jornal Expresso todas as semanas e depois mandar um bitate para o ar para todos em meu redor saberem que leio o dito jornal (fica bem e dá classe).

Hipócrisia


Todos nós temos um pouco de hipócrisia mas há quem abuse...

A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideias e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. A palavra deriva do latim hypocrisis e do grego hupokrisis ambos significando a representação de um ator, atuação, fingimento (no sentido artístico). Essa palavra passou, mais tarde, a designar moralmente pessoas que representam, que fingem comportamentos.
Um exemplo clássico de ato hipócrita é denunciar alguém por realizar alguma ação enquanto realiza a mesma ação.
François duc de la Rochefoucauld revelou, de maneira mordaz, a essência do comportamento hipócrita: "A hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude". Ou seja, todo hipócrita finge emular comportamentos corretos, virtuosos, socialmente aceitos.

Hipocrisia é pretensão ou fingimento de ser o que não é. Hipócrita é uma transcrição do vocábulo grego "hypochrités". Os actores gregos usavam máscaras de acordo com o papel que representavam numa peça teatral. É daí que o termo hipócrita designa alguém que oculta a realidade atrás de uma máscara de aparência. Wikipedia

Eu não diria melhor...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Caderneta de cromos



Estou meio banzada do cheiro da cola, tenho as mãos peganhentas e parece que tenho uma segunda pele na ponta dos dedos, mas estou feliz :)

Acabei de colar 100 cromos que me fizeram sorrir 100 vezes e que me trouxeram tantas, mas tantas boas recordações.



«A saudade é a maior prova de que o passado valeu a pena!»

sexta-feira, 8 de outubro de 2010



Fui com o Sol e voltei com a chuva de Outono.
Esta chuva que ainda não trouxe o frio mas trouxe já os apetites de estar no aconchego do lar :)

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Esta sensação de nó e que aperta e que não me abandona.
Magoa, enfraquece, assusta, entristece...

Estes senhores do INE andam todos baralhados...
Alguém os avise que estamos em Agosto e que o dia das mentiras é em Abril!
Fui dar com uma colega minha a chorar: o namorado, bombeiro, foi chamado para ir combater um incêndio em Viana do Castelo.

Este Verão tem sido trágico. Estes homens e mulheres, sem rosto e sem nome, combatem sem descanso um inimigo impiedoso que teima em dar tréguas.
A todos estes Heróis, um Bem haja!

Sexta-feira 13? Who cares?


Hoje não há mal que venha ter comigo porque eu não deixo. Nada me vai tirar este sorriso parvo quando passo pelas minhas colegas e comento: - Eu hoje já disse que vou de férias??

... E depois...
FÉRIAS!!!!!!!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010


Vá-se lá saber porquê mas eu hoje estou em "vinha d'alhos".

segunda-feira, 9 de agosto de 2010


Ontem foi dia de cinema. Nunca tinha ido ao cinema sozinha, mas como há sempre uma primeira vez para tudo...
A minha estreia solitária foi A Origem (Inception). Gostei bastante do filme o que valeu a deslocação.
À noite ainda consegui ver, em casa, a 1ª parte da trilogia Millenium - Os homens que odeiam as mulheres. Muito fiel ao livro e consegui associar caras aos personagens.
Estou uma autêntica cinéfila :)
Na Sexta-feira passada, ao final do dia, a caminhada foi com duas amigas no paredão de Belém.
Durante a passeata, enquanto enxotamos as tóxinas vamos pondo a conversa em dia e recordamos tempos passados (estava a B. a lembra-se de em tempos ir para ali à noite com o namorado atirar pedras aos ratos. Hummmmmm).
É realmente um previlégio viver perto de um sítio com uma paisagem magnífica e ter alguém com quem partilhar estes bons momentos.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Uma planta perde folhas constantemente e apesar de outras voltarem a crescer, as que caíram não voltam mais. As novas folhas, mais robustas e viçosas, vão modificando a forma original da planta. Ao fim de determinado tempo, a planta está completamente diferente do que quando a adquirimos.
Quando a regamos, expomos à luz e adubamos, a planta torna-se bonita e saudável e até pode dar flor. Pelo contrário, se não lhe dermos atenção e não tratarmos dela, a planta acaba por secar, as folhas caídas não são mais substituídas, as raízes definham e a planta morre.

Tal como as plantas, todos os dias perdemos pequenos fragmentos de nós. Se esses fragmentos não forem substituídos, algo acaba por definhar irreversivelmente.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

“(…) Não dês ânimo às tuas fraquezas, mas às tuas vontades. Não alimentes as tuas cobardias, mas as tuas audácias. Impõe-te cada dia um obstáculo a vencer, um hábito a mudar, uma outra maneira de ver. Lança-te desafios e tem coragem de os enfrentar. Aprende a florir a vida. (…) Não tenhas medo das tuas fraquezas, dos teus maus pensamentos. Eles existem para estimular a tua vontade, o teu desejo de vencer. (…) O medo não existe. Não tem identidade ou realidade pessoal. Precisa de ti para viver, das tuas dúvidas, das tuas fraquezas. (…) Cada vitória sobre ti próprio é como um nascer de sol. Ultrapassar o medo, todos os medos, abre um horizonte ilimitado. (…) Se queres expulsar o medo, abre portas e janelas no interior de ti próprio, faz entrar a luz, não deixes um recanto de sombra. Analisa, escuta, observa, desliga todas as possibilidades de conflito, guardando um espírito calmo, perfeitamente concentrado. Reencontra a audácia e a lucidez do guerreiro: desce em ti e desenraíza o medo. (…) A coragem não pede uma demonstração heróica, pública, que toda a gente veja, mas uma guerra secreta, no interior de si próprio. A coragem verifica-se todos os dias, nos actos da vida corrente, lutando contra os hábitos, as mentiras, os aranjos, os compromissos, que obscurecem o espírito e impedem a sua libertação. (…)” (1)


(1) “Preceitos de Vida” de Dugpa Rinpoché, Editora Pensamento 1999

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Fui aos Himalaias e voltei...



Fui almoçar, com uma amiga, a um restaurante Himalaia aqui perto. Muito bom, bons sabores, diferentes, exóticos... É para repetir :)

CONTRALUZ

António Feio, até Sempre!!!
Trabalhar nesta altura do ano já é uma tortura.
Hoje, então, parece que meio mundo vai de férias. E depois é vê-los com aqueles sorrisinhos de felicidade como quem vai abrir a porta do céu e não vai voltar.
E os que ficam aguardam desesperadamente que o tempo passe, que os que vão, voltem rapidamente e que o sol espere pela nossa vez!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Entre a galhofa de um momento de descontração no escritório, uma colega desabafa: - “Não fossem estes bocadinhos no trabalho e as horas que passo a dormir e a minha vida seria um inferno...”   (Ups!!!)  :|

terça-feira, 27 de julho de 2010

É oficial: vou ver a Lady Gaga


Chamem-me louca, insana, doida, alienada...

O que uma mãe não faz por um filho??

Fim-de-semana fantástico em Mangualde no encontro nacional de escolas de ciclismo!
Sente-se a paixão dos miúdos pelo ciclismo e sente-se no ar a competição ainda com toques inocentes, a emoção dos pais orgulhosos dos seus atletas e a ansiedade dos treinadores.
Sem dúvida absolutamente nenhuma que o meu filho era o atleta mais giro e que melhores hipóteses tem de fazer carreira internacional no ciclismo :)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

I Will Survive

Muito bom... Chegar a casa, depois de um dia de trabalho, e ir caminhar com duas amigas....Além de eliminar a banhoca, limpa a almas das toxinas do dia a dia.
E lá há coisa melhor do que colocar a conversa em dia?

terça-feira, 20 de julho de 2010

Regata no Tejo


Na Sexta-feira passada, andava eu num barquinho destes...
Preocupei-me tanto com medo de ir parar à água e afinal foi o máximo.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Ver o lado positivo #1

Saio de casa por volta das 7:20 cheia de vontade de chegar ao escritório (!!??!!??) - Lado positivo: tenho trabalho - e quando chego ao fim da rua, começo a sentir a sandália a cair do pé. Olho para baixo e, bolas!, a sandália rebentou. Lado positivo: ainda estava perto de casa. Subo a rua à pressa, entro em casa e mudo rapidamente de sapatos - Lado positivo: tenho mais sandálias e opção de escolha. Volto a sair de casa e quando chego ao fim da rua tenho o carro bloqueado por outro mal estacionado - Lado positivo: tenho carro. Começo a buzinar, oiço alguém a dizer que o outro carro pertence ao empregado do café "ali em frente". Como continuo a buzinar, o senhor que me avisou começa a andar em direcção ao café para avisar o empregado. Pronto, está bem!! eu vou lá!. - Lado positivo: tenho saúde e consigo andar. Passado um bocadinho lá vem o empregado a correr para me desempedir caminho. Mostro mau ar e muitos nomes feios passam pela minha mente.

Pronto, por hoje chega, ok? É que para eu ter noção do lado positivo é porque os acontecimentos se desviam da normalidade.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Insólito


...E esta hein???....

A foto não está muito feliz mas o letreiro diz: "Não incomodar por favor".
Esta "construção", à porta do edificio onde trabalho, em plena Lisboa, pertence a um sem-abrigo que, paulatinamente, foi reformando este pequeno espaço.
Estamos a falar de um rapaz novo, com ar saudável que, um dia, deve ter decidido que não tinha jeito para nenhuma profissão. Mas lá criatividade não lhe falta: a construção é sólida (nunca a vi ir abaixo), mete respeito (ninguém se atreve a mexer ali), tem o pau de uma esfregona a fazer de bengaleiro (de manhã quando chego tem a roupa pendurada), tem um despertador lá dentro (é mesmo verdade!, e toca de manhã e tudo!, daí sabermos do despertador). O que mais haverá lá dentro???
O que se pode fazer depois do trabalho (se sairmos cedinho!!)???

Jogar mini golf em família (I like this)

terça-feira, 13 de julho de 2010

«Um estudo do Instituto Francês para a Nutrição (IFN) revela que dormir pouco influi diretamente no aumento de peso...»

«Desta forma, as pessoas que não dormem bem sofrem um aumento de 24% no apetite, especialmente de alimentos ricos em gorduras e açúcares...»

«A falta de sono desencadeia "verdadeiras epidemias de obesidade"...»

Eu sabia que tinha que haver uma explicação lógica. Ora pois está claro que tenho dormido muito pouco....

Fantástico paralelo...

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebés. O primeiro pergunta ao outro:
     - Acreditas na vida após o nascimento?
     - Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
     - Qual quê?, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
     - Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
     - Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical alimenta-nos. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluída - o cordão umbilical é muito curto.
     - Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
    - Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
     - Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mãe e ela cuidará de nós.
     - Mãe? Acreditas na mãe? E onde ela supostamente está?
     - Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
     - Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
     - Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Ouvi dizer que o mundial de futebol já acabou!!!!!!!
Olha que pena :|

No Sábado, depois de uma manhã de praia (não fosse o vento e estava perfeito), fui ao cinema com o meu filho ver o 3º filme do Eclipse.
Entre vampiros, lobisomens e miúdos normais (ou não), gostei imenso do filme.
Pronto! 'Tá' dito. Gostei do filme.
Pena mesmo é que o cinema fique tão caro: bilhetes, pipocas da praxe e telemóvel (pois o R. perdeu o telemóvel)...

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Não gosto nada de ser portadora de más notícias, mas hoje tem mesmo que ser.
Sinto-me incomodada e estou desejosa de "limpar" este assunto da cabeça :(

quarta-feira, 7 de julho de 2010

E se um desconhecido lhe oferecer...

... Um cartão de crédito?

Não, não é Impulse, é mesmo uma instituição financeira a incentivá-lo ao consumo desenfreado.
E depois queixam-se do fenómeno do sobreendividamento, do consumismo, das faltas de pagamento, etc, etc, etc, que até já enjoa.
O problema é que há sempre quem caia na esparrela (até porque nunca se sabe se pode vir a dar jeito). Depois, o dinheiro fica ali tão disponível, os azares só acontecem aos outros, a vida é tão curta e deve ser vivida da melhor forma, que... um dia... pimba!! vamos lá perder a cabeça com uma compra antecipada. É só desta vez, não volta a acontecer. O t.a.n.a.s!!! Volta a acontecer sim... Tantas vezes até o plafond estar todo comidinho.
E depois? Só temos que agradecer à tal instituição pelas belas compras que fizemos com o dinheiro deles e pagar. Sim, pagar as compras e os juros e os comprimidos para as dores de cabeça.

Coisas que me deixam mesmo Piúrsa!!! #1

Anúncios de jornal apelativos mas anónimos.
A malta já respondeu a tantos anúncios e já foi a tantas entrevistas sem sucesso que pensa que não tem nada a perder. Mentira: perde tempo, a paciência e dinheiro de transportes!!! Além de ficar à espera uma eternidade para ser entrevistado, a oferta é para vender casas (God, numa altura destas!!!) para a Remax (a letra pequena é propositada porque não quero dar publicidade a estes senhores)!!
Vendes casas recebes, não vendes, não recebes! Justo, pois claro...
O que não é justo é andarem a gozar com a malta.
Abram o jogo e sejam sinceros, vá lá!!!

Nota: Não foi comigo mas é como se tivesse sido.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cenário 1: Estou farta desta chuva. Prefiro quando está só frio, pelo menos podemos andar na rua sem estes chapéus e sem nos molharmos.

Cenário 2: Está um frio do “catatau”. É um dos piores anos. Ao menos quando chove a temperatura sobe.

Cenário 3: Quem aguenta com este vento? Vai tudo pelos ares. Nunca mais é verão....

Cenário 4: Isto nem parece Verão! Mas quando é que começa a fazer calor?

Cenário 5: Está um calorão que não se aguenta. Ao menos com o frio uma pessoa põe mais uma peça de roupa e a coisa melhora. É que nem corre um arzinho...

Ninguém compreende este tempo.
E a nós? Quem é que nos compreende?

Era uma vez uma corda comprida e robusta.
Apesar de ser uma corda bastante válida e vigorosa, as suas tarefas, na maior parte das vezes, não eram cumpridas com satisfação.
A corda sonhava ser um elástico e achava muito injusto que não a tratassem como tal. Tinha uma atitude tão soberba que nem se dava conta da forma arrogante como tratava os quem estavam à sua volta. No entanto era tratada com todo o respeito e era considerada como válida pelos seus pares.
Ora, pois houve um belo dia que a corda experimentou esticar-se. Esticou-se tanto, tanto que quase parecia um elástico no seu limite. A corda experimentou uma sensação única e não mais queria parar de se esticar.
Os outros avisaram-na do perigo que corria ao esticar-se tanto e não esconderam o seu desagrado por esta manifestação de vaidade.
A corda ignorou-os e continuou a esticar-se e a provar a sensação de nova confiança. Não se deu conta que pequenos e finos fios que constituíam a sua robustez se estavam a partir. Até que um dia, alheia de tudo e de todos, rebentou pelo meio. Ficou perplexa enquanto os outros a olhavam com abandono. Tentou, desesperada dar um nó nas pontas soltas, mas era tarde de mais. Já não servia os intentos para os quais era necessária.
E foi o fim da corda que sonhava ser um elástico...

quarta-feira, 30 de junho de 2010

QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO

Uma lição...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Os segredos fundamentais para uma Total Autoconfiança - Robert Anthony

Este livro prendeu-me a atenção pelas verdades que nele consta e que muitas vezes nos passam ao lado. Partilho o resumo:

“Muitas pessoas pensam que podem mudar as suas vidas através de mera força de vontade. Isto não é verdade. As opiniões negativas na imaginação fazem com que estas pessoas se autodestruam.”
“A maior parte dos nossos problemas nasce de expectativas que não se tornam realidade. Grande parte das nossas frustrações vêm de ideais errados que temos de como o mundo deveria ser, e o que pensamos que deveríamos ou poderíamos fazer ou ter.”
“…temos de desafiar tudo o que não está certo. Isto permitir-nos-á começar a construir a ponte entre o lugar onde nos encontramos agora e o lugar onde gostaríamos de estar, e entre o que somos agora e a pessoa em que gostaríamos de nos tornar.”
“A principal contrariedade que enfrentamos na conquista da autoconfiança é a certeza errada de que os outros são mais espertos, mais sábios ou mais inteligentes que nós. Isto faz com que olhemos para eles em busca da nossa felicidade e bem-estar. A pessoa que vive em função do outro, neste sentido, tem de procurar sempre um apoio externo. Ela quer que as pessoas, as circunstâncias, as condições ou Deus façam aquilo que deveria fazer por si.”
“Ninguém pode ferir os seus sentimentos ou fazê-lo sentir-se infeliz, sozinho, chateado ou ainda desiludido, se não depender dele para o seu bem-estar, inspiração, amor ou motivação.”
“Não podemos viver a vida das outras pessoas e carregar os seus fardos, por mais que as amemos.”
“Nunca deveríamos investir noutro ser humano o poder para configurar ou destruir as nossas vidas ou dominar as nossas iniciativas.”
“A comparação é um sinal de pobre auto-estima. A pessoa que se compara a outro vive rodeada pelo medo.”
“O que haverá de tão importante nos elogios que faz com que corramos atrás dele como moscas à volta de uma tigela de açúcar?”
“Se pretende ser totalmente livre e auto-confiante, jamais poderá ser apanhado na armadilha da pesca ao elogio. Quebrar este hábito destrutivo requer que pare de colocar as outras pessoas acima de si. Nunca admire alguém seja porque motivo for. Se parar de admirar terceiros, nunca mais terá de procurar a aprovação deles e não será mais seduzido pelos elogios ou intimidado pela culpa.”
“Só quando decidir que irá dar tudo por tudo para se libertar a nível mental, emocional, físico e espiritual, conseguirá ser a pessoa auto-confiante que gostaria de ser. A questão permanece – dependência ou liberdade? A escolha é sua.”
“A auto-estima positiva… traduz a auto-aceitação pessoal.”
“… não precisa de impressionar os outros exaltando as suas realizações ou bens materiais conquistados… à pessoa que está constantemente a vangloriar-se apresenta um dos sintomas referenciais de pobre auto-estima.”
“As principais dependências de uma pessoa com baixa auto-estima:
• Culpas e queixas;
• Os erros dos outros: é psicologicamente verdade que o que mais detestamos nas outras pessoas são, normalmente, aqueles defeitos e fraquezas que encontramos em nós próprios;
• Necessidade de atenção e aprovação;
• Complacência excessiva: medicam-se com comida, drogas, álcool ou tabaco para obter uma satisfação temporária;
• Depressão;
• Indecisão e procrastinação: a baixa auto-estima é frequentemente acompanhada pelo medo invulgar de cometer erros. … A pessoa com baixa auto-estima geralmente não faz nada ou, pelo menos, retarda, tanto quanto possível, aquilo que tem que fazer. Está relutante em tomar uma decisão porque se sente incapaz de o fazer incorrectamente. Portanto, se não fizer nada, não comete erros.”
“Está provado que o que lhe acontece não é tão importante quanto o grau de intensidade com que resiste à realidade de uma determinada situação ou indivíduo. Dito de outra forma, não pode fazer nada em relação aquilo que sente sobre as coisas, mas consegue influenciar a maneira como pensa e como reage a elas. Pode não gostar da realidade da situação, todavia, por enquanto, tem de a aceitar. Ao fazê-lo, terá controlo sobre os seus actos e as suas reacções.”
“A influencia do hábito: os hábitos fazem de si a pessoa que é.”
“Não pode desistir de nada que considere desagradável.”
“O facto de não conseguir aceitar os seus erros é a razão pela qual não consegue superá-los.”
“A culpa é a principal ferramenta do manipulador. Basta que uma pessoa nos faça sentir culpados, que nos vamos obrigar a cair, o mais rapidamente possível, na graça dela. É possível manipular as pessoas a fazer quase tudo, desde que se consiga fazer com que elas se sintam bastantes culpadas.”
“Vinte homens a atravessar uma ponte em direcção a uma aldeia, representam vinte homens a atravessar vinte pontes em direcção a vinte aldeias.”
“Ninguém pode viver no passado e funcionar criativamente no presente.”
“O amor de ontem desgastou-se, o amor de amanhã ainda não chegou e o amor de hoje tem de ser conquistado.”
“A energia positiva gera, a energia negativa destrói.”
“Todos os problemas são realmente oportunidades camufladas.”
“Não tente escapar ao presente para ter um futuro melhor e que ainda nem sequer existe. O que tem que fazer neste momento é aquilo que considera prioritário.”
“Quer queira quer não, neste momento você está exactamente onde quer estar. Talvez esteja insatisfeito… O seu futuro pode parecer duvidoso, mas foi você que optou, consciente ou inconscientemente, por estar exactamente onde está. As provas indicam que você preferiria estar na actual situação a ter que pagar o preço da mudança. Quando opta que uma pessoa, circunstância ou condição dite a sua felicidade, está a dar a algo exterior a si o poder de controlar a sua vida.”
“Uma abordagem fraca, tímida e indecisa à vida cultiva à inércia, o fracasso e a decepção.”
“As ilusões não tornam os seus sonhos realidade. Aprenda essa lição da história: -Aquele que hesita, perde!”
“Antes de se lançar num novo desafio, pergunte-se: - O que poderá acontecer na pior das hipóteses?”
“Mudar significa alterar a sua maneira de pensar. Significa também, estar disposto a desistir de coisas da maneira como estão e tê-las da forma como desejam que sejam! Ninguém pode fazer isso por si.”
“Nunca contes os teus problemas a ninguém. Metade das pessoas não quer saber e a outra metade fica satisfeita por tu os teres.”

quinta-feira, 20 de maio de 2010


Há dias em que sabe mesmo bem almoçar com uma amiga.
Falar de tudo e de nada, de todos e de ninguém e sobretudo falarmos de nós próprias. Deitar cá para fora o que nos vai na alma. E isso, digam lá o que disserem as mulheres sabem fazê-lo, sobretudo porque se compreendem muito bem.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Dá-me um abraço!!


Dá-me um abraço
forte, sentido, carinhoso, protector, meigo, sincero, reconciliador, amigo, apaixonado, perdido...
Há coisas na vida que não se conseguem dizer, sobretudo, se nunca foram ouvidas.

Uma criança diz «obrigado» por algo. Em situações inversas nunca lhe agradecem e ele também vai deixar de agradecer. Acaba por esquecer o significado da palavra.
Um amigo pede «desculpa». O seu amigo erra mas não acha importante desculpar-se. O outro não volta a pedir desculpa quando comete uma falha.
Uma mulher diz «amo-te». Nunca ouve o seu eco. Extermina a palavra do seu dicionário.
Alguém diz «se faz favor». Não lhe pedem da mesma forma. Deixa de usar a expressão.

Os gestos são como as palavras, e os comportamentos repetem-se...É dar e receber (ou não)!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Saudade é a prova de que o passado valeu a pena!!

http://www.youtube.com/watch?v=5AfTl5Vg73A
Deixei de acreditar que o que sempre foi, mude algum dia
Deixei de acreditar que a minha sanidade mental é imutável
Deixei de acreditar na minha memória
Deixei de acreditar que consigo sempre conter as lágrimas
Deixei de acreditar no romantismo
Deixei de acreditar nos contos de fadas
Deixei de acreditar no meu país
Deixei de acreditar nas amizades para toda a vida
Deixei de acreditar na incorrupção
Deixei de acreditar que o atingimento dos meus objectivos depende só de mim
Deixei de acreditar que hoje é melhor que ontem e que amanhã será melhor que hoje
Deixei de acreditar que o feio se pode tornar bonito
Deixei de acreditar na religião
Deixei de acreditar que o trabalho dignifica
Deixei de acreditar no altruísmo
Deixei de acreditar nas certezas absolutas
Deixei de acreditar naquilo em que sempre acreditei!

Hoje deu-me para aqui!
Pode ser que um dia a minha opinião mude.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Saio de casa por volta das 7:30 (mais coisa, menos coisa), deixo a criança na escola e rumo com destino ao escritório.
8:00, hora de chegada. Imprimir uma série de documentos porque é dia de reunião e como tenho ainda uns minutos despacho uns e-mails à pressa.
9:00, inicio da reunião que dura até às 18:00. Às 14:00 faz-se meia hora de intervalo para comer qualquer coisa. A minha intervenção é a última da agenda e como tal, já todos olham impacientes para o relógio, bocejam e mexem-se na cadeira. O meu trabalho de fim-de-semana e de ontem à noite, por mais interessante que seja, já é corrido à pressa porque já não prende grande atenção.
Antes da saída, ainda se lêem alguns e-mails, e despacha-se alguma coisinha (pequenina!!!).
Por volta das 19 e qualquer coisa apanho a criança (que já está em casa da avó), e começa a luta pelo estacionamento de final de dia nesta maldita selva de lata.
Finalmente em casa… fazer jantar (haja imaginação), tirar loiça da máquina, preparar a mochila da criança para o dia seguinte, tirar lixo, tachos, panelas, salada, fruta e mais qualquer coisinha, destas, que uma dona de casa tem que fazer… e depois: hora da janta!
Mais coisinha, menos coisinha… Finalmente sofá!! Claro que por esta altura a permanência nesta doce ociosidade não vai durar muito, porque não tarda estou pronta para me encaminhar para o vale dos meus lençóis.
Sei lá porquê mas não consigo fazer serões longos. Tenho que descobrir porque é que sinto este maldito cansaço que começa a ter comportamentos crónicos. Será que esta lassidão tem remédio?

terça-feira, 11 de maio de 2010

Solidão: sensação de estar só no meio da multidão; desapego do que se passa em volta; vontade de partir sem destino; desejo de ausência de relações sociais.



No fundo, é isso, a solidão: envolvermo-nos no casulo da nossa alma, fazermo-nos crisálida e aguardarmos a metamorfose, porque ela acaba sempre por chegar

August Strindberg

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Tudo aquilo que não me mata, fortalece-me!!

domingo, 9 de maio de 2010

sexta-feira, 7 de maio de 2010



Tenho andado completamente debaixo de água...
Não sei por onde me virar com tanto trabalho, e a sensação é mesmo a de estar a ir ao fundo.
Irra!!!!

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Los sabandeños y Silvio;El unicornio azul.

Quando o meu filho era bebé adormecia ao som desta música e parava de chorar quando estava birrento.
Oh que Nostalgia...

Um bom CV faz mesmo a diferença.

Estamos a preencher dois lugares vagos na empresa e esta semana já fiz uma série de entrevistas.
O primeiro contacto que se tem com o candidato é através do Curriculum Vitae, e este pode exclui-lo logo à partida da oportunidade de vir à empresa para se apresentar convenientemente.
Muitas vezes os CV’s não têm informação relevante e a maior parte das vezes, talvez por felling ou por falta de candidaturas (sim, porque isto de emprego está mau mas os candidatos não aparecem às mãos cheias), peço aos candidatos para virem a uma entrevista dando-lhes a possibilidade de “vender” as suas competências presencialmente.
E se por vezes o CV é exagerado, já apanhei candidatos muito bons e que só pelo CV muito pouca gente dava alguma coisa por eles, o que é realmente uma pena. Por vezes, informação que os candidatos acham irrelevante e como tal não mencionam no CV, é precisamente o que faz a diferença para a empresa.
Daí, um bom CV (modesto q.b. – nem tanto ao mar nem tanto à terra) e uma carta de apresentação, breve mas assertiva, faz toda a diferença.

E por favor, CV's com mais de 2/3 páginas e longos textos tipo dissertação, não têm muita saída.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

O inevitável está a acontecer…

Estava na sala e o meu filho na cozinha quando entrou uma mensagem no telemóvel dele e eu avisei-o que tinha uma mensagem nova. Muito atrapalhado corre da cozinha e tira-me o telemóvel da mão. Achei a reacção estranha…

Eu: De quem é a mensagem?
Ele: De uma miúda lá da escola.
Eu: E o que é que diz a mensagem? (isto não é cusquice é preocupação!!!)
Ele: Sei lá, ela está sempre a enviar mensagens.
Huuuuummmmmmmmm….
Eu: É tua namorada?
Cora até às orelhas…
Ele: Achas? Não é nada.
Eu: Mas ela gosta de ti e tu dela? Se gostarem é normal (sou uma mãe open mind)
Ele: Mas os outros lá na escola estão sempre a gozar. (Pronto, confessou)
Eu: Deixa lá têm inveja. Então e não vais responder?
Ele: Já vou.

E pronto foi para o quarto responder.
O meu menino tem 10 anos e eu ainda não estou preparada para esta fase. Será que a gajinha trata bem o meu filho? É que as meninas são mais precoces que eles nesta matéria.
"Nunca discutas com um idiota; ele arrasta-te para o seu nível e vence-te em experiencia."
Todos nós somos o espelho de quem está mais próximo.
Desde pequenos que plagiamos acções e comportamentos e inconscientemente, acabamos por adoptar “tiques” e atitudes, quer seja das pessoas que mais admiramos ou não. Invariavelmente temos comportamentos que vão ao encontro daquilo que mais criticamos em terceiros e acabamos por ficar parecidos com eles.
Depois, existe a tentativa de duplicação de quem consideramos os nossos ídolos. Daí o ditado “diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és”.
Por vezes a tentativa de clonagem não corre muito bem e distorce o que poderia ter de bom, principalmente se a imitação for consciente.
Neste sentido, devemos ter, mais uma vez presente o teste do espelho.
Em frente ao espelho pergunte-se: que tipo de pessoa quero ver ao espelho no dia seguinte? Caminhe ao encontro da pessoa que quer ver sempre reflectida no espelho.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Está oficialmente aberta a época da caracolada e da bejeca!
Trabalho em Gestão de Recursos Humanos e este é um departamento transversal a todas as áreas duma empresa.
É neste departamento que se definem políticas e normas, processam-se salários, recruta-se, trata-se da formação, dos benefícios, das obrigações legais, das relações laborais, analisam-se absentismos, avalia-se, pergunta-se e actua-se em benefício da empresa e dos colaboradores.
É um trabalho formal e que requer seriedade e concentração na sua execução.
Há tarefas das quais eu não gosto (como em tudo na vida) e outras que dá um prazer enorme. É o caso de amanhã que vou passar a manhã a fazer entrevistas :)